+ Missão

+ A Fundação

+ Departamentos

+ Publicações

+ Eventos

+ Visitas de Estudo

+ Projectos Humanitários

+ Protocolos Institucionais

+ Contactos

+ Ligações

 

"Defesa e Divulgação da Língua
 e Cultura Portuguesa"

 

Colóquios
O Pensamento e a Obra de Pinharanda Gomes

 » voltar para Publicações

28







COLECÇÃO LUSÍADA
Nº 28 | 307 páginas | 2004
Formato: 160 x 230 mm

P.V.P. 15,00€
Encomendar


«O primeiro aspecto, o mais visível da monumentalidade da obra de Pinharanda Gomes, é a acumulação de conhecimentos eruditos de obras desconhecidas de pensadores portugueses que Pinharanda descobre em breves opúsculos, conferências noticiadas, artigos de jornais completamente ignorados. É nesse aspecto uma monumentalidade semelhante à de Inocêncio mas vai muito mais fundo.

Pinharanda sabe de raiz que a obra de filosofia é, como dizia Aristóteles, “um animal vivo” com suas genealogias, suas metástases imparáveis, seus prolongamentos de espírito para espírito. A história da filosofia é a história desse animal vivo com suas alegrias e triunfos, com suas doenças e dores, sobretudo com suas experiências, isto é, com seus riscos de vida, que é o que são as experiências até no significado etimológico de ex-perire.

Importa, quanto a Pinharanda Gomes, observar que é ele um pensador especulativo que sabe e tem sempre presente que o povo português, do qual historia a filosofia, é uma realidade espiritual. Dizer realidade espiritual é dizer uma ideia. Ao escrever a sua história da filosofia portuguesa, Pinharanda Gomes não só o faz porque se dispõe a escrever a história de uma realidade espiritual como a escrevê-la na consciência de que é uma ideia que vai transmitir aos seus compatriotas, com os quais cultiva, em grande empenho, uma constante e íntima relação, expressão da natureza espiritual do povo.

Pinharanda Gomes é um epígono muito próximo de Álvaro Ribeiro, em quem via virtudes beatíficas, e de José Marinho. Talvez ainda mais próximo de Leonardo Coimbra, mais próximo no espírito embora mais distante no tempo.

Remetida para o domínio das ideias, a fundação do povo português que os historiadores tentam explicar por descrições e arranjos dos acontecimentos, adquire um significado que a historiografia ignora. É esse significado que Pinharanda Gomes procura na sua história da filosofia portuguesa. Importa conhecê-la em toda a sua conceptualização.»

 

  Orlando Vitorino

 » voltar para Publicações                                                                                                                            » voltar ao topo